quinta-feira, 8 de agosto de 2013

A Magia (ou a falta dela) da Gravidez

Uma das coisas que sempre quis foi ter filhos. Ou melhor, gostava da ideia de um dia ter uma família, e família para mim inclui obrigatoriamente filhos. Nunca fui babada por crianças, ainda hoje, estando grávida, não consigo olhar para os bebés e sentir esse chamamento a não ser quando se trata dos bebés de pessoas muito próximas. Não consigo achar os bebés todos lindos e maravilhosos. Não consigo. E confesso que tenho medo de não olhar com toda a ternura para a minha pequenina. Toda a gente diz que no caso dos nossos é diferente por isso: let's see.
Mas vamos aos mitos ou aquelas coisas que ouvimos desde criança, em que acreditamos e que para mim são mitos ou ilusões (como lhe queiram chamar).  Desde criança ouvimos falar da gravidez como um estado de graça, um momento maravilhoso da nossa vida, aquele momento em que somos rodeadas por uma aura de alegria, em que tudo é perfeito e maravilhoso. Mentira. Descobrir que estava grávida foi assim um  momento. Fiquei feliz, não foi uma coisa planeada e nem sabia muito bem o que estava a sentir, a esta distancia posso dizer que fiquei feliz. Mas houve momentos para tudo. Houve momentos em que deprimi, momentos em que me senti triste, em que não queria, outros em que ria sozinha com a ideia. Nem todas as mulheres são iguais mas, o percurso destas quase 33 semanas tem sido de altos de baixos. Somos muito mimadas pelas pessoas, por algumas pessoas, há uma geração que ainda nos trata de forma especial, e os nossos pais então dão-nos tudo, mas também, se forem como eu, chega a uma fase em que só querem ser tratadas como  a pessoa que sempre foram.  
No capitulo das coisas associadas à gravidez, eu não tive enjoos mas, não me lixem, ninguém pode andar feliz a vomitar a cada meia hora, a sorte que tive desejo-a a todas as futuras mães. Porque não deve haver nada pior do que ver o nosso corpo a mudar, tudo a ficar mal, e ainda por cima andar constantemente mal dispostas. 
Outra coisa que achei que iria ser assim uma emoção e não foi, foi a ecografia e ouvir pela primeira vez o som do coração. Há muitos relatos das mães que choram. Eu não chorei, nem ri, nem nada. Não consegui durante muito tempo, e ainda agora que a sinto o dia todo aos pontapés dentro de mim me custa um bocadinho, associar aquela eco à minha filha. Não sei explicar. Não me emociono, serei um cubo de gelo? Acho que não. Simplesmente acho que não fantasio muito. Na primeira eco, fiquei a olhar para aquele ponto negro e... nada... Com o tempo aprendi a gostar das ecos e a ver a bebé, a stressar quando tinha de esperar um mês para ir ver se estava tudo bem. Mas assim, sentir uma coisa avassaladora quando a via, não. A única vez que fiquei coma lágrima no canto do olho, foi quando a medica me disse que tinha um rim ligeiramente inflamado. Ai, senti que era mãe pela primeira vez durante estas semanas todas. Por isso não sintam vergonha se não sentirem essas coisas todas que vos relatam, porque acredito que muitas mulheres têm é vergonha de dizer exactamente isto.  
Como já devem ter reparado, não sou das pessoas que acha que a gravidez é uma fase maravilhosa, toda a  gente me diz: vais sentir falta de estar gravida. E a minha resposta é clarinha: NEM PENSAR. Posso sentir falta do antes de estar gravida, isso já sinto, mas da gravidez???? Nahhh. E porque não? Porque a minha pele não ficou maravilhosa, o meu cabelo também não, engordei q.b até ao momento, ganhei celulite, tentei fazer exercício até os 5 meses mas depois tive de parar, fartei-me de ir as compras e sentir que tudo fica "fofinho" nas grávidas ( o que eu odeio sentir-me fofinha) já não consigo apertar direito os sapatos, não durmo mais que uma hora seguida, vou há casa de banho 1000 x por dia... Isto é maravilhoso? Não, não é. É uma fase gira mas, não é maravilhosa. É apenas gira e estou ansiosamente à espera que acabe e que possa ter a minha pequenina cá fora. Desculpem a sinceridade mães que adoraram estar grávidas mas, não me incluo nesse leque e acreditem que tive uma gravidez bastante calma. Mas um mês de gravidez acreditem chegava e sobrava...







1 comentário:

  1. Eu só senti essa tal aura em mim num determinado período, talvez entre os 5 e os 6 meses. Antes ainda nem tinha caído na real que estava grávida, nem a barriga se notava. Depois ficava cansada com tudo e não tinha disposição para grandes programas.
    É normal sentires altos e baixos. A maioria das grávidas deve passar pelo mesmo!
    Depois do Baby Boy nascer continuo a sentir momentos melhores e outros mais deprimidos. Às vezes vejo noutras mães bloggers uma inspiração para este papel, que agora é até ao resto da vida :) Se ela consegue, eu também consigo!
    Beijinhos e já sabes que estou sempre disponível para o que precisares ;)

    ResponderEliminar

Comentar...