segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Quando se passa o limite... Judite e Lorenzo

Estive fora uns dias. Fui passear com a família e, por isso, não andei muito atenta às noticias mas, eis que chego e deparo-me com uma onda de indignação relativamente à suposta entrevista da Judite de Sousa ao Lorenzo. 
Como a maior parte dos portugueses ouvi falar no rapaz quando os jornais (que se estão a transformar em revistas do social) deram a noticia de que o jovem tinha feito uma festa de aniversário em que gastara uma pequena fortuna. Na altura achei, que esta cobertura por parte de telejornais, embora se tenha tornado habitual no nosso país, era descabida. Mas, eis que a TVI tenta passar os limites e convida o rapaz para uma entrevista em pleno Jornal das 8. Vi a entrevista hoje, através do link da página do ARRUMADINHO. E ainda nem sei muito bem qual é o sentimento que me fica na alma. O que é que foi aquilo? Nunca fui grande fã da Judite de Sousa, mas tinha-a como uma profissional. Mas aquilo não foi nada disso. Humilhou o rapaz, foi arrogante, teve laivos de malvadez... Não teve vergonha de se por, e repito, em pleno Jornal das 8, a tentar adivinhar quanto custaria o relógio que o rapaz tinha? Não teve vergonha de lhe ter perguntado porque não fazia mais pelo social deste país? Depois do rapaz ter dito e repetido que ajudava muita gente?  E se não ajudasse o que é que ela tinha que ver com isso? A entrevista, ou conversa, ou acusação, ou o que lhe queiram chamar é surreal. Como já tinha sido a entrevista ao Reynaldo Gianecchini mas num outro registo. Tipo, quarentona a tentar insinuar-se ao menino que até gosta de mulheres mais maduras. Perdoem-me a franqueza mas algo se deve passar com a senhora. 
Voltando ao Lorenzo, o rapaz é humilde, educado, é rico, muito rico (abençoado) e faz o que lhe apetece com dinheiro. Quer gastar, e pode gastar 300.000 euros numa festa? Clap Clap. Compra relógios de 50.000 euros? Clap Clap. Só porque é rico tem que dar alguma coisa a alguém? Não, não tem. Querida Judite e Judites deste mundo, não é crime ser-se rico, não é crime gastar o que temos, porque temos e podemos. O problema do país não se resolve com pessoas a darem dinheiro, isso era muito fácil. Os problemas deste país residem exatamente ai. No pensamento  de que os que têm muito, têm que nos ajudar porque nós somos pobrezinhos. O problema deste país foi estar durante anos à espera de D. Sebastião que viesse salvar o nosso "coitadinho" país. Estar sempre à espera que alguém viesse resolver os nossos problemas enquanto nós choravamos como crianças mimadas e gritavamos que os outros são feios e maus porque têm dois brinquedos e nós nenhum. O que a Judite de Sousa fez, foi uma coisa deste género e usou um rapaz de 22 anos, rico para fazer esta birrinha. Lamentável e triste. Mais um episódio que mostra que a crise deste país não é só financeira mas, sim de valores e de postura de uma sociedade que se habituou a chorar e não a tentar seguir em frente. É sempre mais fácil arranjar culpados do que perceber que devíamos era repensar muito daquilo que fomos construindo enquanto sociedade, não estou a culpar ninguém e naturalmente estou a generalizar. Mas, o que é facto é que este pensamento pairou neste país desde que me lembro, e enquanto houver pessoas a usarem o tempo e poder que têm para continuarem a transmitir esta ideia...meus amigos... terão passados anos e estaremos iguais. E não, Judites deste país, não vai ser o Lorenzo que nos vai salvar, nem ele nem o dinheiro dele.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comentar...